Teresa, internato do 12º ano (3º ano do ensino médio), Nova Inglaterra.

Borja Pérez-Mínguez | Depoimentos América do Norte

Estudar o ensino médio nos Estados Unidos sempre pareceu uma boa ideia para mim. Porém, quando sai do meu país, fiquei assustada, uma vez que estava indo para um lugar onde eu não conhecia ninguém e ficava muito longe da minha casa. Mas agora ao recordar esse medo, após estar há um ano no colégio, não sei afirmar o que eu temia de verdade. Quando cheguei, o pessoal da escola veio me buscar no aeroporto, com eles estavam duas crianças. Desde o início, foram todos muito simpáticos comigo. Desse modo, caso eu precisasse de alguma coisa, eles estavam sempre prontos para ajudar.

Ao chegar na escola, obviamente, estava preocupada em não conseguir fazer amigos e imaginando que tudo seria difícil (pensei que não conseguiria entender os meus colegas ao falarem inglês). Mas, no terceiro dia, todas as preocupações desapareceram. Quando cheguei, um grupo de pessoas me aguardava, eles me acolheram e se tornaram meus amigos.

A verdade é que essa experiência é completamente diferente de qualquer outra que já vivi. A cultura deles e o que eles estão acostumados na América do Sul não tem nada a ver com o que eu estava acostumada na Espanha ou com o que já havia visto em outros países.

sistema acadêmico é completamente diferente, por isso, demora um pouco para se adaptar a ele, mas com  o esforço do dia a dia, o apoio do corpo docente (além disso, a avaliação do conhecimento não se baseia em um única prova),  facilita o aprendizado dos alunos em todas as disciplinas.

Essa escola tem muitas infraestruturas esportivas excelentes. Assim, para cada estação existem três esportes diferentes que podem ser escolhidos, o que mais gostei, sem dúvida, foi o esqui. Esse esporte é um extra que se pode fazer nos fins de semana. Eu e mais dois amigos nunca faltamos um dia de esqui. Podemos ir todos os sábados e é muito divertido.

Nos finais de semana há muitas atividades e muitas viagens, como ir ao shopping ou ir a Boston. Boston é uma cidade muito agradável para a qual a escola organiza uma viagem, mais ou menos, uma vez por mês, mas você pode ir sozinho todos os fins de semana se quiser. Todas as atividades extras são muito divertidas e temos a sorte de nenhuma delas ser obrigatória. Então, caso você não queira participar pode ficar na escola.

experiência de estudar em outro país é incrível! Se você tem a oportunidade de viver isso, aceite! Essa experiência vai te ensinar   muito sobre a vida e sobre o mundo que está por trás das quatro paredes da casa dos seus pais.

Gostei tanto dessa escola que irei ficar mais um ano, desse modo, mal posso esperar para viver as experiências e ter as amizades que essa oportunidade pode me trazer no próximo ano.

 Teresa, internato do 12º ano (3º ano do ensino médio), Nova Inglaterra.

Internatos nos Estados Unidos: New Hampshire.

Borja Pérez-Mínguez | Blog de viagens

Em uma de nossas últimas viagens aos Estados Unidos, visitamos 14 dos melhores colégios internos do estado de New Hampshire, ou seja, as escolas tradicionais mais antigas da costa leste da América do Norte.

Cada escola possui suas particularidades, desse modo, os seus diferenciais são algo que as tornam especiais, mas todas compartilham uma série de parâmetros comuns, os quais detalhamos a seguir:

  • Programas acadêmicos de primeira classe: programas STEM espetaculares (ciência, tecnologia, engenharia e matemática), robótica, design de computadores, estudos forenses e negócios.
  • Instalações esportivas de última geração: equipes de futebol de 11 jogadores, futebol americano, lacrosse e hóquei em campo, todos com grama natural e campos de Astro Turf para praticar durante todo o ano. Também possuem basquete, atletismo, hóquei no gelo e beisebol, além dos espetaculares programas de esqui e snowboard; com montanhas a apenas 30 minutos de distância dos colégios, perfeito para os amantes de esqui.
  • Programas de arte e música de última geração: O interesse demonstrado por vários estudantes em especialidades como atuação, pintura, cerâmica ou figurino, entre outros, é cada vez mais comum.
  • Turmas pequenas de 12 a 17 alunos que permitem tratamento personalizado e incentivam o debate e a participação ativa.
  • Os alunos que se formam a partir dessas escolas, graças à figura de seu College Counselor (conselheiro de universidade) se aplicam a uma média de 9 universidades, e de acordo com o seu desempenho acadêmico e esportivo, juntamente com os seus interesses artísticos e musicais, eles obtém vaga na universidade que mais combina com o seu potencial.
  • Perto de prestigiadas universidades da New England: Boston, MIT, Suffolk, Norwich, Maine, Connecticut, Harvard, Yale, entre outras. As escolas organizam várias viagens ao longo do ano para os alunos dos últimos cursos, geralmente 11th e 12th grade, equivalentes ao segundo e ao terceiro ano do ensino médio no Brasil, para que os estudantes possam visitar o campus, conhecer professores, alunos atuais, e sentir a atmosfera que é respirada nas universidades que eles têm em mente para continuar seus estudos após a formatura.

Em cada uma das visitas, tivemos o privilégio de conversar com os professores, assistir às aulas e apresentações, observar o método de ensino e debater com os alunos sobre várias questões, desse modo, podemos perceber o grande potencial de argumentação dos estudantes de acordo com o tópico ou o assunto com o qual estávamos lidando.

Toda vez que conversávamos com um estudante brasileiro de intercâmbio, era possível verificar o grau de satisfação refletido em seus rostos e na fala ao comparar o sistema acadêmico americano, baseado na participação e no trabalho prático, com o sistema educacional brasileiro, sistemático e baseado na memorização. Para os alunos, não há dúvida sobre sua preferência de ambiente de ensino, principalmente, quando veem os impressionantes resultados acadêmicos que estão obtendo nessas escolas.

Todos os alunos com os quais conversamos, nos falaram sobre a sua adaptação durante as primeiras semanas à Sala de Estudo (um período de duas horas de estudo obrigatório por dia), pois nunca haviam experimentado um método de estudo semelhante. Porém, não conseguem mais viver sem esse hábito de estudo adquirido, uma vez que é importante para o crescimento acadêmico e profissional do estudante.

Nesse ambiente, os alunos aprendem a dosar seus esforços, planejar suas horas de estudo, preparar seus ensaios e investigações e se tornarem totalmente independentes e autossuficientes em termos de resultados acadêmicos. Nos Estados Unidos, um estudante adolescente  é tratado como adulto e, como tal, espera-se nada menos que esforço e profissionalismo máximo.

Ficamos felizes e surpresos ao ver o grau de maturidade adquirido pelos estudantes brasileiros que estavam orgulhosos dos seus resultados e também do quanto haviam adquirido uma boa experiência de crescimento pessoal, ao mesmo tempo em que demonstravam profunda gratidão pelo esforço realizado por seus pais para garantirem uma boa educação e estudos.

Muitos desses estudantes viram seus resultados acadêmicos serem recompensados ​​com importantes bolsas de mérito da escola que seguindo a cultura americana de encorajar esforços, estão mais do que dispostas a ajudar financeiramente todos os alunos e ensiná-los a serem  um ativo importante para o colégio, não apenas academicamente, mas contribuindo com liderança em áreas, como: arte, música, voluntariado na comunidade ou fazer parte de uma equipe competitiva.

Enquanto visitávamos seu impressionante campus, no mais puro estilo universitário, vimos o profundo respeito dos alunos, e a vida mais familiar que eles respiram, à figura dos Dorms Parents (professores que moram nos internatos com as suas famílias) e que se tornam autênticas figuras paternas para estudantes vindos de todo o mundo.

Em resumo, verificamos mais uma vez que o programa de internato nos Estados Unidos é, sem dúvida, a melhor alternativa para que os alunos que concluam o programa do ano letivo se tornem totalmente bilíngues,  maduros, autoconfiantes, com o hábito de estudo adquirido e com a capacidade de liderança incutida para enfrentar tudo o que lhes é apresentado na vida.

No link a seguir, você encontrará todos os recursos do programa: https://www.internationalacademicprograms.es/pt-br/estados-unidos/

Internatos nos Estados Unidos: Veleiro ao redor mundo

Borja Pérez-Mínguez | Blog de viagens

Sem dúvida, o destino do ano letivo no programa de internato mais especial com o qual trabalhamos: Veleiro ao redor do mundo. Devido às suas características e a maturidade necessária para participar do programa, os diretores aconselham a participar dessa experiência apenas alunos com mais de 16 anos de idade, ou seja, 2° e 3° ano do ensino médio, equivalentes às 11th e 12th grade do sistema americano.

O objetivo desse programa é fazer um curso acadêmico em um veleiro que viajará ao redor do mundo, no qual os alunos trabalham como tripulação e realizam todas as tarefas de navegação, limpeza, manutenção e vigia. É importante destacar que apesar dos alunos trabalharem cuidando do veleiro, os resultados no fim do programa são simplesmente espetaculares em termos de nível de maturidade e independência adquiridos por cada um dos estudantes.

O conceito é o mais prático e experimental possível: a tripulação navega por períodos de cerca de 3 semanas seguidas em alto mar sem conexão à Internet, com aulas acontecendo no próprio veleiro. Quando chegam aos portos, realizam uma semana de trabalho de campo. Para dar alguns exemplos: Na aula de história, eles visitarão as cidades de Roma ou Atenas; em biologia marinha, realizarão trabalhos de campo em Barbados; em ciências políticas, visitarão Cuba; para trabalhos voluntários, visitarão vários países africanos.

Ao longo do ano letivo, o veleiro visitará 20 países diferentes: Noruega, Holanda, França, Espanha (portos de Cádiz e Ilhas Canárias), Grécia, Itália, Marrocos, África do Sul, Namíbia, Açores, Cabo Verde, Cuba, Barbados, República Dominicana, Bermudas, Estados Unidos (Flórida), Argentina e Brasil.

Além dos trabalho de campo, durante todo o curso, em alto mar ou atracados nos portos, o programa segue um sistema rigoroso e exigente acadêmico  de nível College Prep (preparatório para as melhores universidades) com temas do mais alto nível possível: AP (Advanced Placement) com a qual os alunos obtêm créditos que podem usar para entrar na  universidade.

Portanto, é um programa verdadeiramente espetacular e perfeito para estudantes que desejam viver uma aventura completamente diferente e prática, sem dúvida, será uma das maiores experiência de suas vidas, na qual eles alcançarão um crescimento pessoal incrível.

custo do programa é de € 62.900, mas existe possibilidade de auxílio financeiro de até 20%, isso dependendo do perfil do candidato, seu desempenho acadêmico, esportivo ou artístico.

 

Zhen, 1º ano do ensino médio em internato nos Estados Unidos, Nova Inglaterra.

Borja Pérez-Mínguez | Depoimentos América do Norte

Quando cheguei à escola no primeiro dia, fiquei muito surpreso com a localização do colégio, porque fica em uma área montanhosa onde não há quase nada, apenas algumas casinhas dos habitantes da cidade. O engraçado é que o próprio internato ocupa a grande maioria da área do povoado.

No começo, eu não estava acostumado, já que na Espanha eu morava em uma cidade grande. Porém quando você se acostuma, percebe que a escola é um lugar perfeito para quem gosta mais de tranquilidade e também é um lugar perfeito para estudar, já que não há nada para distraí-lo durante a concentração do estudo.

A escola oferece atividades relacionadas à natureza, por exemplo, no Maine Day, fui ao rio Androscoggin para fazer canoagem. Outros passaram um dia em uma ilha próxima, caminhando no Parque Nacional Acadia e outras atividades relacionadas à natureza.

A escola também oferece pequenas viagens nos f